quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Nossos dois maiores Heróis
  
Com a eclosão da Revolução Constitucionalista de 1932, a população de Catanduva mobilizou-se, registrando centenas de voluntários que agrupavam-se no prédio do Liceu Rio Branco, que funcionou como Quartel General do Batalhão Catanduva (Unidade Combatente) e o Batalhão Feminino Cruzeiro do Sul (voluntárias que produziam suprimentos para as linhas de combate), onde hoje funciona as faculdades da Fundação Padre Albino, no cruzamento das ruas Maranhão e Cuiabá, bem no centro da cidade.
 
Liceu Rio Branco, o Quartel General do Batalhão Catanduva
 
Entre tantas histórias de atos relevantes em combate, há que se colocar em destaque nossos dois combatentes mortos em decorrência das batalhas: Antônio Ortega Haro e Josué Grande.
 
 
Antônio Ortega Haro
 
Antônio Ortega Haro nasceu no município de Ipaussú/SP aos 23 de agosto de 1907. Era filho do lavrador André Ortega Haro e de Antônia Haro. Era conhecido no meio estudantil da cidade por ter frequentado durante seu período escolar o Liceu Rio Branco. Era amante e praticante de Tênis. Pertenceu, como voluntário, ao Batalhão Anhanguera, formado de estudantes da Escola Politécnica de São Paulo, cujo comandante era o Capitão Caio Dias Batista.
 
 
Antonio Ortega Haro (esquerda) e o industrial Theodoro Rosa (direita).

 
 
A grande comoção social no enterro de Antônio Ortega Haro.
 
 
 
A mãe (Antônia) e irmãs (Izabel, Maria, Antoninha) de Antônio Ortega Haro – foto tirada em 1945

 
Foi morto em combate no dia 04 de setembro de 1932 e, por total impossibilidade de remoção, foi sepultado na própria trincheira. Seu corpo foi exumado e transferido para Catanduva em 13 de julho de 1933, sendo uma urna depositada na Igreja Matriz para visitação pública e missa de corpo presente celebrada pelo Bispo Dom Lafayette Libânio, sendo sepultado no dia seguinte no Cemitério Nossa Senhora do Carmo. Atualmente um dos dois edifícios do Colégio Nossa Senhora da Ressureição, no Bairro Higienópolis leva seu nome, como justa e merecida homenagem.

 
 
Josué Grande
 
Josué Grande nasceu em 19 de julho de 1906 em local não conhecido, entretanto sabe-se que foi no Estado de São Paulo. Era filho de Dolorata Grande e tinha dois irmãos, Nina Angelina e Rafael. Conforme publicação da Revista Feiticeira de junho de 1979 Josué "viveu em Catanduva durante muitos anos e era estimado por todos por suas maneiras francas e cavalheirescas". Foi gerente da Casa Bastos e Presidente da Associação dos Empregados do Comércio.

                                               

Foto tirada em São Carlos: à esquerda Ermínio Augusto de Oliveira e à direita Josué Grande
             
Quando irrompeu o Movimento Constitucionalista, foi um dos primeiros voluntários a se apresentar, incorporando-se no dia 19 de julho de 1932 ao Batalhão Patriótico de Catanduva sob o comando de Baptista da Luz. Já como Sargento, contraiu grave moléstia (acredita-se hoje ter se tratado de Malária) às margens do Rio Grande. Acompanhando o Batalhão, seguiu viagem para São Carlos e depois para Campinas onde foi hospitalizado. Para dar continuidade ao tratamento de sua enfermidade foi transportado para São Paulo onde faleceu em 21 de setembro de 1932. Atualmente um dos dois edifícios do Colégio Nossa Senhora da Ressureição, no Bairro Higienópolis leva seu nome, como justa e merecida homenagem.

Um comentário:

  1. Antônio Ortega Haro faleceu, junto com outros Paulistas, no dia 04 de setembro de 1932, no Morro do Gravi, Itapira/SP, sector Leste, sendo sepultado na própria trincheira sendo posteriormente trasladado para Catanduva... Hoje no local se encontra o 1º Monumento erguido em memoria aos Paulistas que doaram sangue e suor por São Paulo...

    Carlos

    ResponderExcluir